Modo de Produção

A exploração de macroalgas é uma atividade sobejamente sustentável na medida em que não necessita de terra arável, água doce ou fertilizantes e aditivos sintéticos. Para além disso, durante a fase de crescimento as algas absorvem CO2 e libertam O2, o que contribui para uma reduzida pegada de carbono. 

O modo de produção da biomassa da ALGAplus resulta da transferência de conhecimento académico e científico,  para uma atividade económica com impacto positivo na vida das pessoas e futuro sustentável do planeta.

Como são produzidas as nossas macroalgas

Num sistema de aquacultura multi-trófica integrada (IMTA) em terra com certificação biológica, que assegura maiores níveis de produção e melhor qualidade. Neste modo de cultivo controlado, a água do mar da lagoa costeira flui para os viveiros de peixes, sendo depois bombeada para os tanques de cultivo das macroalgas, através de um sistema de filtragem. Os nutrientes presentes na água decorrentes da atividade piscícola, também ela com certificação biológica, são aproveitados para a produção das macroalgas, como fariam no ambiente costeiro.

 

Ferramenta natural de biorremediação e consequente minimização dos impactos ambientais da produção aquícola, o cultivo em IMTA permite maiores níveis de produtividade, consistência, rastreabilidade e qualidade de forma ambientalmente sustentável. Para além disso garante provimento de biomassa durante todo o ano, contornando a sazonalidade das espécies no ambiente natural e permite a gestão equilibrada das populações selvagens de macroalgas marinhas da costa Atlântica portuguesa.

Todas as fases da nossa atividade, incluindo a única maternidade europeia com escala comercial da espécie Porphyra spp., desenvolvem-se internamente: produção de biomassa, processamento (lavagem, secagem e moagem) e embalamento.

Ciência, inovação e sustentabilidade ambiental e social estão na base do nosso cultivo de macroalgas marinhas da costa do Atlântico.